TRATAMENTO DA OBESIDADE E SOBREPESO

A obesidade é uma doença multifatorial, ou seja, possui várias causas e uma ampla diversidade de tratamentos. A constatação desses mecanismos é fundamental para elaborar um tratamento personalizado para cada paciente. Lembrando que os tratamentos são facilitadores, ou corrigem “defeitos” que possuímos a fim de diminuir as dificuldades adequação a uma restrição alimentar e prática de exercícios.

Obs: o texto não pretende entrar nos méritos de  quais os medicamentos utilizados, efeitos colaterais e contra-indicações.  O interesse apenas é mostrar o quanto é complexo o mecanismo de emagrecimento e quais as rotas podem ser utilizadas para facilitar este processo.

Fome: é uma sensação subjetiva, poderia ser descrita de diversas maneiras. O uso de um tratamento que inibe o apetite, geralmente de ação no sistema nervoso central, auxilia na adesão do paciente a uma dieta hipocalórica.

Saciedade: o ato de interromper ou cessar a alimentação. Os sacietógenos atuam facilitando o ato de parar de comer. Muitos pacientes referem que conseguem evitar a alimentação, mas que depois que iniciam a comer não conseguem parar. O s sacietógenos podem atuar tanto no sistema central, quanto mecanicamente no estômago por efeito mecânico.

Ansiedade: sensação de angústia. O estresse da vida moderna nos faz comer por estar angustiado, para relaxar ou até mesmo para suprir carências afetivas.  É comum ao ansioso cometer abusos alimentares, predileção por doces e por beliscar fora de hora. Os medicamentos ansiolíticos atuam no sentido de estabilizar o quadro ansioso do paciente e por conseqüência a alimentação ansiosa e compulsiva.

Metabolismo: alguns pacientes apresentam clínica de metabolismo baixo: cansaço, desânimo, queda de cabelos, unhas fracas, pele seca etc. Isso sem nenhuma doença concomitante.  Os termogênicos são substâncias que aceleram o metabolismo.

Absorção: o mecanismo absortivo no intestino favorece a maior ou menor absorção de nutrientes e calorias. Algumas pesquisas direcionam diretamente a composição da flora intestinal a maior ou menor absorção de calorias. Os reguladores de flora melhoram o desempenho do intestino e anti-absortivos  diminuem a absorção de calorias, principalmente açúcares e gordura.

Nutroneuroquímicos: são substâncias envolvidas na gênese da obesidade: hormônios, enzimas, neurotransmissores, enfim substâncias que alteram a ingesta, a saciedade, a absorção e o metabolismo. Por terem sido descobertas recentemente ainda existem poucas opções de tratamento nesta área.

Hormônios: o tratamento hormonal da obesidade não é autorizado, pois nenhum se mostrou superior aos riscos oferecidos pelos mesmos. Os hormônios possuem um mecanismo homeostático muito fino. Utilizar hormônios como emagrecedores pode acarretar em disfunções hormonais para vida toda.

Diuréticos e laxativos: não provoca perda de peso, apenas a sensação de perder peso por desidratação ou evacuação.  O uso como tratamento da obesidade não se justifica.